All for Joomla All for Webmasters

4 dias em Istambul: o que fazer?
Destaque

10 Maio 2019
(0 votos)
Autor :  

Istambul transpira cultura por todos os poros. Seja nos aspectos religiosos tão influentes no cotidiano da região ou na correria dos comerciantes em seus inúmeros bazares, a cidade atrai milhões de turistas todos os anos que a procuram para uma imersão na cultura árabe. Nesse post você vai saber o que fazer em 4 dias na capital turca aproveitando tudo que ela pode oferecer.

Istambul é um dos destinos turísticos mais procurados do mundo. Para mim é a cidade ideal para conhecer a cultura árabe com segurança, aproveitando todas as suas especificidades. Colocamos Istambul em nosso roteiro no verão de 2019 depois de 18 dias na Grécia, pois geograficamente ficaria a menos de 2h de vôo a partir de Atenas.

Istambul e uma das cidades mais antigas do mundo, rica em elementos culturais formados por diversos povos que passaram pela região. Destacam-se a arquitetura, o comércio, culinária e os aspectos religiosos, onde o estilo de vida islâmico é um marcante diferenciador na população. Istambul se localiza no encontro do Mediterrâneo com o mar Negro, no estreito do Bósforo, região de divisa entre dois continentes, a Ásia e a Europa.

A vida da cidade gira em torno do Bósforo e as principais atrações turísticas estão próximas dele. A principal delas a mesquita azul, situada na região de Eminonu, onde está a praça Sulthanamed. Em frente a Mesquita Azul, do outro lado da praça, está a mesquita de Haya Sophia, ambas imponentes, bem preservadas e com vista privilegiada do estreito.

Nesse post fizemos um roteiro básico para quem terá 4 dias para conhecer a cidade. Roteiro que também fizemos e conseguimos conhecer bem e com calma os principais pontos turísticos da cidade.

 

Onde Ficar

 

Os 2 bairros mais procurados pelos turistas são Sulthanamed (Eminonu) e Beyoglu. Reservamos diárias no hotel Pera Hill, um hotel antigo 3 estrelas, simples e bonito. Nós resolvemos ficar em Beyoglu por ser uma região mais tranqüila, rodeada de galerias de arte descoladas, pubs, cafés, próxima da Torre Gálata e onde se encontra a rua Istiklal. A Istiklal é uma das principais ruas de comércio de Istambul. Possuindo cerca de 3km (entre a praça Taksim e a estação de metrô de Beyoglu) é destinada apenas a pedestres e cruzada por um antigo bondinho. É também na rua Istiklal tem uma filial da famosa loja de doces, a Hafiz Mustafa, uma perdição!!

 178

1111

124

 

De Beyoglu também se pode acessar as redes de trem, metrô e ônibus com facilidade, encontrar várias mesquitas e centros de massagem. A noite de Beyoglu é super cool, os seus inúmeros pubs, bares e restaurantes são ideais para badalar ao som de jazz, reggae ou soul music.

 

195

 

A parte ruim de ficar em Beyoglu na alta temporada e ter que cruzar as pontes para acessar os pontos turísticos que ficam do outro lado do Bósforo. As pontes ficam muito engarrafadas e não há metrô de Beyoglu para Sulthanamed, somente uma linha de VLT. Outro ponto negativo é o relevo da região, cheio de extensas subidas e decidas o que torna o bairro inapropriado para quem dificuldades de locomoção ou não está em forma.

Já em Sulthanamed você ficará mais próximo das principais atrações turísticas, porém, estará no meio do movimento, onde o barulho pode atrapalhar seu descanso.

 

Como se Locomover

 

Se locomover em Istambul não é complicado, a região central onde se encontram a maior parte dos pontos turísticos é servida por linhas de ônibus, metrô, VLT, táxis e uber.

Obs: O Uber que roda em Istambul é chamado de XL, ou seja, são Vans que prestam serviço para o aplicativo, úteis para carregar vários pessoas e também algumas cargas. Também é possível chamar os táxis pelo aplicativo Uber.

Dica: Se vc está visitando a cidade na alta temporada e está hospedado do outro lado do Bósforo, em bairros como Beyoglu, evite usar o aplicativo, pois devido ao trânsito eles costumam cancelar sistematicamente as chamadas. Pegue os táxis nos pontos ou use os ônibus e vans que estiverem próximos a você.

 

1º dia

O roteiro do 1º dia foi inteiro no entorno da praça Sulthanamed a parte mais antiga de Istambul e que foi o coração da antiga cidade de Bizâncio e do Império Otomano. Acordamos cedo, tomamos café e fomos direto para a Mesquita de Sulthanamed também chamada de  mesquita Azul por causa dos mais de 20 mil azulejos que a cobrem.

 149

foto24

 

A mesquita azul é o principal ponto turístico de Istambul, local também muito frequentado pelos habitantes de todo o país, por isso tanto a mesquita quanto a praça sempre estão muito cheios e movimentados. Esse movimento chega a triplicar nos finais de semana e no verão, por isso, como primeira dica, acorde cedo e vá direto conhecê-la. Não é preciso pagar entrada e os turistas não tem acessos à todas as partes, somente uma ala onde pôde-se observar um grande salão encarcerado e os locais de oração.

A entrada para turistas é gratuita e é feita por uma entrada lateral, do lado direito da mesquita. Não é permitido entrar com sapatos, na entrada são oferecidas sacolas plásticas para que os visitantes possam guardar seus calçados durante a visita. As mulheres precisam cobrir suas cabeças, enrolando panos ou mantas sobre suas cabeças e ombros também oferecidos gratuitamente.

 

175

 

Paramos para almoçar nos inúmeros restaurantes que ficam nessa região e descansamos um pouco, pois o sol estava a pino com mais de 35 graus à sombra.

A tarde fomos conhecer o mercado Egípcio. O mercado Egípcio está logo atrás da mesquita azul, ele é menor e mais organizado que o Grand Bazar. Nele você encontra peças de artesanato (cerâmicas, roupas, artigos de couro), alimentos típicos (especiarias, doces e bebidas) e joalherias. No bazar egípcio você já vai ter uma ideia do que vai encontrar no Grand Bazar, mas a variedade é bem menor e os preços são bem parecidos.

 

568

 

Ficamos encantados com a diversidade de produtos de artesanato, de jóias e de comidas. Também vimos como existe semelhança entre alguns elementos culturais entre a Turquia e a Grécia, resultado da proximidade dos 2 países e da miscigenação social, política e econômica provocada pelos milênios de conflitos, como a troca de populações entre a Grécia e a Turquia como consequência da Guerra Greco-Turca, que opôs a recém-criada República da Turquia em 1923.

 

160

161

 

De noite fomos jantar em um restaurante muito bem avaliado, o Marbella Cafe Restaurant um rooftop com vista para o canal e para a mesquita. Nesse restaurante eles servem comida típica árabe, entre elas o Testi-kebab que é um picadinho de cordeiro com legumes cozido em um pote de cerâmica. Os garçons fazem do serviço do prato é um verdadeiro show. O pote é quebrado com um martelo e o conteúdo é servido borbulhando direto no seu prato, uma delícia....

 

126

 

2º dia

 

A manhã do 2º dia foi reservada para conhecer a mesquita mesquita de Santa Sofia e o palácio Topkapi, ambos localizados na praça Sulthanamed em frente a Mesquita Azul. A mesquita de Santa Sophia está logo ao lado da azul, do outro lado da praça. A mesquita de Santa Sofia (Ayasofya) foi construída por Justiiano entre 532 e 537 e é uma das obras-primas da arte bizantina.

 

555

 

Curiosidade: Entre 1204 e 1261, Santa Sofia foi uma igreja católica. Em 1453 foi tomada pelo Império Otomano e transformada em mesquita. 

 

Horário

De abril a outubro, das 9:00 às 19:00 horas.
De novembro a março, das 09:00 às 17:00 horas.

Preço

Entrada geral: 60 liras.
Menores de 8 anos: entrada gratuita.

 

 

Também em Sultanamed está o palácio Topkapi. O palácio foi construído por Maomé II em 1453 e passou a ser a residência oficial dos sultões durante quatro séculos. O palácio, em seus 700.000 metros quadrados, conta com quatro pátios, diversos ambientes em seu interior: sala de armas, cozinha, estábulos reais, tesouro, possuindo também um extenso jardim logo na entrada.

Anexo ao palácio está o harém. A entrada do harém é paga a parte, porém você não consegue comprar só a entrada do harém porque ela só é vendida dentro da área do palácio, ou seja, para visitar o harém você vai ter que comprar o ticket para o palácio.

 

148

4444

5555

3

1032

 

Horário

De quarta a segunda, das 9:00 às 17:00 horas (de abril a outubro até as 19:00).
Terça: fechado.

Preço

Palácio: 60 liras.
Harém: 35 liras.

 

Na parte da tarde pegamos um barco e fomos conhecer o lado asiático de Istambul. Para quem está hospedado em Sultanamed, Beyoglu ou proximidades, a maneira mais cômoda de se chegar na parte asiática de Istambul é ir de barco. No mesmo cais que saem os barcos de passeio pelo Bósforo saem os barcos para a região. Custam bem menos e fazem o percurso em aproximadamente 30min. Na região asiática de Istambul pôde-se encontrar alguns produtos mais baratos assim como hotéis e restaurantes. Um dos bairros preferidos é Moda, repleto lojas, hostels, pubs, restaurantes e mercados, atraindo o público jovem que curte uma noite mais agitada.

 

168

 

A noite retornamos para Beyoglu para descansar e beber uma cerveja no bairro Ortaköy, região as margens do Bósforo, cheia de bares e pubs com muita gente bonita.

 

3º dia

 

No 3º dia fomos fazer o passeio de barco pelo Bósforo. Fazer o passeio de barco pelo Bósforo é outra dica importante. O passeio básico dura em torno de 1hora e meia e percorre as duas margens principias do estreito. São dezenas de empresas que fazem esse passeio, não há necessidade de reservá-lo com antecedência, mesmo no verão.

 

144

141

6541

 

A dica é: ande pelo cais e análise os preços e tipo de embarcação que mais lhe agrade. Os preços podem variar muito de um barco para o outro assim como o conforto.

A parte da tarde ficou para conhecer a Torre Gálata. A Torre Gálata está situada em uma colina do outro lado do Bósforo, na região de Beyoglu. Dela se tem uma linda vista da cidade. A entrada da torre custa em média 9 liras e no verão as filas são bem grandes, por isso, se estiver programando ver o pôr do sol de cima da torre chegue com no mínimo 2 horas de antecedência. Se você quer desfrutar de uma noite especial, na Torre Gálata há jantares com espetáculo, open bar e dança. Os preços variam em torno dos 65 euros.

 

132

 

Antes do pôr do sol fomos jantar em outro indicadíssimo rooftop o Roff Mezze 360. Os pratos são muito bons, bem servidos e com preços razoáveis e o pôr do sol perfeito com o Bósforo de um lado e a Mesquita Azul ao fundo, tudo isso ao som de um violino tocando músicas clássicas.

 

  • 128
  • 135
  • 138
  • 4256
  • 4563
  • 7452
  • 7785
  • 128
  • 135
  • 138
  • 4256
  • 4563
  • 7452
  • 7785
 

 

4º dia

 

Inciamos o 4º dia com o banho turco (Hammam), na verdade só a Marjorie fez o banho e eu fiquei mofando do lado de fora.

Ela escolheu o Kilic Ali Pasa Hamami, tinha uma boa avaliação do tripadvisor e era em Beyoglu, próximo do nosso hotel. O prédio do Kılıç Ali Paşa faz parte da mesquita e do complexo escolar Kılıç Ali Paşa Hamamı.  Foi construído entre 1578-1583 para servir as levas (forças marinhas otomanas). Famoso por suas linhas arquitetônicas e cúpula majestosa, o Hamam é um dos edifícios mais simbólicos em Tophane, o distrito portuário de Istambul. O Kılıç Ali Paşa Hamamı reabriu após sete anos de restauração meticulosa e intensiva.

 

1478

foto22

foto25

 

O banho turco é uma das atrações turísticas mais procuradas. Os hammans que os realizam estão espalhados pela cidade, a maior parte tem separação entre homens e mulheres, alguns realizam o banho misto. Em alguns locais você escolhe uma série de serviços adicionais ao banho, como massagens e esfoliações especiais. Escolhi o pacote (The Rammam Ritual) que durou cerca de 2h e o valor foi algo em torno de 300 liras turcas.

A experiência foi muito boa, saiu de lá enovada, pronta para os próximos dias de viagem.

Depois do banho turco fomos passar o resto do dia no Gran bazar. O gran bazar é rodeado de ruas lotadas de lojas, formando um grande complexo que mais parece um labirinto, fácil de se perder. Ao entrar no bazar você perde a noção do tempo, são tantas coisas para ver, experimentar e pechinchar (obrigação para quem quer levar algum produto), que você sai exausto do passeio.

Em cada barraca íamos provando os quitutes turcos sem temer as consequências...srrs. destacamos os Lokuns, Kadayifs e as Baklavas...hummm só de escrever essa parte me veio a vontade de comer uma dúzia.

 

116

118

163

158

 

Também paramos para beber um café turco moído e servido na hora. Somos viciados em café, já experimentamos vários de todos os lugares do planeta, desde o Kopi Luak indonésio até o aromático café mexicano. O cheiro era inebriante. Essa parte do café foi engraçada porque o feirante perguntou se gostaríamos do café estilo turco ou ocidental, claro que escolhemos o turco. Bebemos assim que o recebemos e o café tinha mais pó que água, até achamos gostoso mas não dava pra sentir o sabor direito de tanto pó. Ao andar pelo mercado percebemos que as pessoas iam bebendo o café aos poucos, um gole e uma conversa e a ficha caiu. Tínhamos que esperar o pó do café decantar e ir bebendo bem devagar. Na mesma hora voltamos na barraca e pedimos outro, dessa vez para beber direito kkk.

 

117

 

A parte da tarde e começo da noite ficaram para conhecer o entorno da ponte Gálata. A ponte Gálata é a mais importante do estreito, liga a região de Sultanamed ao bairro Beyoglu. A ponte é a preferida pelos pescadores que ficam nas calçadas lançando suas linhas nas águas do Bósforo.

Nos 2 lados da ponte existem restaurantes especialistas em peixes e frutos do mar e também servem o famoso "pão com peixe frito". De um lado estão os restaurantes mais finos, mais bonitos, do outro os mais populares. Do lado mais fino a vista do Bósforo é mais ampla, do lado popular o pôr do sol é mais bonito. É bem comum você está sentado apreciando a paisagem e subir na sua frente peixinhos içados pelas linhas dos pescadores.

 

 115

166

 

 

Para quem vai ficar mais tempo, existem outras dicas de lugares interessantes para visitar e vamos falar um pouco mais em outro post.

 

0 comentários 317 Acessos
Admin

Sobre os autores:

Marjorie e Saulo Farias são um casal dinâmico que curtem as coisas boas da vida! Ela engenheira e ele geógrafo, amam as atividades ao ar livre, praias, assimilar novas culturas, comer bem e uma boemia.

A ideia de criar o site veio da necessidade de detalhar melhor as dicas das viagens realizadas pelo casal nos últimos 5 anos, já divulgada no instagran (@comerrezarviajar) criado em 2016 e muito pedidas pelos amigos e seguidores. Para isso, as tarefas são democraticamente divididas, ela faz os roteiros, cuida dos stories e postagens e ele é responsável pelas fotos, vídeos e logística. Ambos agora escrevem suas experiências, alimentam o site com materiais e buscam parcerias para ampliar a gama de informações úteis para viajantes de todas as idades e condições financeiras diferentes.

Nesses últimos 5 anos conhecemos mais de 30 países e centenas de cidades pelo Brasil e mundo. Adoramos conhecer lugares diferentes, fora dos roteiros turísticos tradicionais e de fazer novas amizades. Entre nossas experiências mais marcantes destacamos conhecer a cultura grega, a organização e eficiência alemã, a exoticidade da cultura tailandesa e as belezas naturais do nosso Brasil.

Enfim, esperamos que o site ajude aos viajantes a conseguirem informações mais precisas possíveis e dicas valiosas para que as lembranças das suas viagens sejam inesquecíveis.

Deixe o seu comentário

Links Úteis

Termos e Condições

 

Redes Sociais

facebookinstagramyoutubepinterest

Facebook - Curta nossa página

Youtube - Inscreva-se

Top